Barulhos Estranhos Ruidos Esquisitos

Definitivamente a segunda edição do B.E.R.E teve azar. Não bastasse a vinda de Garagge Fuzz para Natal, que faria um show às 22h no DoSol Rock Bar, o MPBeco, festival de música organizado pelo S.A.M.B.A (Sociedade Amigos Beco da Lama), foi adiado do dia 31 de maio para o dia 7 de junho, devido as fortes chuvas que caíram na capital. Isso sem falar no rolo com os patrocinadores, nas inúmeras vezes que o festival foi adiado por vários motivos e na conseqüente diminuição de sua proposta. De dois dias na Estação Ribeira com feirinha e tudo mais, para apenas 4 horas, no Teatro Sandowal Wanderley com uma tímida mostra de artes visuais.

Por conta disso o festival não contou com mais de 100 pessoas no apertado teatro do Alecrim. Mas isso não o diminui em nada. A primeira banda a tocar foi o Monacega. Galera nova na cena de Natal com uma proposta ousada. Guitarra e bateria e um som experimental, forte em alguns momentos, fraco em outros. Fizeram um show bom, apesar de uns desafinos e da ausência de um dos guitarristas, que estava no MPBeco. Destaque para o "cover" da propaganda do menino que tem Sindrome de Down. Com um pouco mais de experiência, ensaios e shows, eles com certeza vão alcançar uma sonoridade muito interessante.

Entre Monacega e The Automatics, a produção bolou um minishow da banda Lunares, em formato acústico e fora do palco. Bela sacada. Eu particularmente ainda não sou um fã de Lunares, mas pelo show acústico, tanto pela coragem do quarteto, quanto pela qualidade sonora, posso afirmar que o minishow deles foi o ponto alto da noite. Eles tocaram apenas duas músicas do EP Dance! Dance! Dance! e conseguiram empolgar o público com suas músicas. O que me faz pensar em rever as minhas opiniões sobre o grupo.

A terceira banda da noite foi o The Automatics. Eles são uma banda interessante. Não são jovens, não usam cabelos lambidos, nem camisa apertadinha, nem cintos de rebite e não querem posar de rockeirinhos rebeldes. O máximo que o figurino do quarteto permite são os All Star's e os óculos escuros. De longe e sem conhecer, ninguém diria que eles fazem parte de uma banda de rock. De uma banda de rock do caralho. Eles tocam muito, isso é fato inquestionável. Mesmo depois de quase um ano parados, o quarteto mostrou um entrosamento e uma qualidade sonora difíceis de encontrar nas bandas natalenses. E o show foi muito bom, com músicas velhas e novas do EP Post_Fiction. Aliás, que belo EP. Assim que encontrá-lo a venda, não hesitarei em comprar.

Para fechar a noite, a banda Os Bonnies tocaram e mostraram um pouco do que será o novo disco do grupo. O que se pode dizer é que as músicas novas virão com mais força instrumental e menos gritaria, diferente do primeiro CD, mas sem perder a pegada rockability que fez muitos fãs irem ao delírio. O show foi um feijão com arroz à lá Chuck Berry bem temperado. Tocaram umas músicas antigas, alguns covers, as músicas novas, o sucesso "Pram" e finalizaram para o pouco mais de 40 pessoas que estavam presentes no teatro.

De modo geral, se for falar pelas bandas, o B.E.R.E foi muito bom. Pena que a sorte não colaborou e a produção certamente terá algum prejuízo. Só espero que essas dificuldades não os façam desistir para uma próxima edição.

0 comentários:

top