Sobre o caso da menina que morreu

Isabella de 4 anos foi espancada e jogada do sexto andar do prédio onde morava o pai e a madrasta.

O pai e a madrasta são os principais suspeitos do crime. Porque, primeiro, Isabella foi a única das três crianças que subiu para o apartamento com o pai. (O casal tinha mais dois filhos, um de 2 anos e outro de alguns meses e haviam acabado de chegar no prédio)

E segundo porque o pai e a madrasta não subiram com os outros filhos. Há indicios que podem ser de sangue na roupa do pai, no carro e na porta, não há sinais de arrombamento na porta do apartamento e havia uma tesoura próxima a janela onde a menina foi atirada (a tela de proteção da janela foi cortada).

Numa análise fria, dá pra perceber que não foi um crime premeditado. Há muitos indícios e crimes premeditados costumam ser sutis. A pessoa que matou a menina o fez por força das circunstâncias, não entrou no apartamento para matá-la. A imprensa está praticamente colocando a culpa no pai, sem que a justiça tenha provado nada contra ele. O povo também. E isso lembra o caso da escola-base, há 10 anos atrás.

Penso que não foi o pai que matou a menina. O cara tem uma mínima instrução (é advogado), aparentemente não sofre problemas mentais, foi provado que no momento do crime ele estava em sã consciência (não tinha consumido drogas), as pessoas próximas falam que ele tinha uma boa relação com a filha. Pra mim, o caso fica incongruente porque, suponhamos que ele quisesse matar a própria filha, sendo advogado muito provavelmente teria feito de uma forma que a culpa não recaísse sobre ele imediatamente. A não ser que seja uma pessoa muito burra. Até porque jogar alguém de um prédio, fazendo um furo na rede de proteção, não é nada sutil nem inteligente.

Vamos supor então que a menina tivesse dando trabalho e ele foi "bater" nela e nisso acabou matando. Primeira incongruência: pra bater numa criança da forma como ele teria batido, precisa ser uma pessoa violenta, se ele é violento, a mãe saberia, provavelmente não deixaria a filha com ele e, se deixasse, seria a primeira a acusá-lo. O que não acontece. Segunda incongruência: sendo violento, seria mais fácil a menina morrer por causa do espancamento. Percebe-se que num certo momento o assassino decidiu matar a criança por algum motivo e nisso, decidiu jogar a menina do sexto andar.

Não sou detetive mas acho que aconteceu assim: a família iria fazer alguma coisa na parte de baixo do prédio (sair de novo, talvez, pegar as compras, alguma coisa), Isabella estaria com sono e querendo ir pra cama (todo mundo sabe que criança com sono é um saco), o pai então teria deixado ela no apartamento, no quarto dela. Algum desafeto do pai, ou criminoso que conhece a familia, teria entrado pra roubar alguma coisa, notou que a menina o viu e reconheceu, a menina começou a gritar, ele tentou abafar os gritos para o pai da menina, mas ela não teria ficado quieta e ele pra "resolver" o problema, teria jogado ela do prédio e fugido.

E acho que os investigadores estão jogando com a imprensa. Dando indicios que o pai seria o assassino para o verdadeiro se sentir impune, dar bobeira e eles pegarem.

Mas enfim, isso foi só uma viagem minha, posso estar 200% errado. Esperemos.

0 comentários:

top