Pi-Pi-Pirataria


Há um movimento atual de eliminação da pirataria, principalmente depois da popularização, se é que podemos dizer que a internet é popular, da internet.

O que seria do Windows sem a pirataria? Pelo menos aqui no Brasil, conheço pouca gente que adquiriu alguma versão original do programa da Microsoft. Mas todo mundo tem Windows em casa (ou, quase todo mundo). E o Windows é um sistema operacional que aceita apenas aplicativos (programas, jogos e etc) que seguem a sua plataforma.

E para seguir a plataforma do Windows é necessário que o fabricante do produto compre os direitos para que aquele programa possa ser executado em Windows, além de adequá-los a plataforma. E nisso são gastos milhões de dólares.

Se não houvesse a falsificação do sistema operacional da Microsoft, com certeza, pelo menos no Brasil, a grande parte das pessoas iria optar por utilizar um sistema operacional mais barato, ou gratuito, como o Linux. E ai ninguém compraria aplicativos para Windows e a Microsoft deixaria de ganhar milhões.

O mesmo acontece com os videogames. Porque hoje o Playstation é o principal console (apesar de estar em decadencia) do mundo dos games. Simples, por causa da pirataria.

Quando havia a supremacia da Nintendo no mundo dos games, só se falava neles. Sendo que ai a ela lançou, como continuidade ao sucesso do Super Nintendo, o seu videogame de 64 bits, o Nintendo 64. Sendo que os games do Nintendo 64, apesar dos excelentes gráficos, eram disponíveis apenas em fitas, muito difíceis de piratear. Na contramão disso, vinha o até então desconhecido Playstation, lançado pela Sony. Os games do Playstation vinham em CD e os gráficos eram quase os mesmos. Então ao invés de comprar um Nintendo 64 e gastar 150 reais nas fitas, comprava-se o Playstation e dava-se 10 reais nos CDs falsificados.

E assim, o Playstation se tornou hegemônico. Mesmos gráficos do Nintendo 64, mas CDs que podiam ser pirateados e muito mais baratos. E nos videogames acontece exatamente a mesma coisa do que nos sistemas operacionais. Para desenvolver um CD para playstation, é necessário pagar a Sony.

Todos os outros videogames lançados posteriormente que usavam fitas não conseguiram nem ao menos chegar próximo ao Playstation. A pirataria ajudou muito a Sony nesse sentido.

Mas agora essas duas empresas estão investindo em tecnologia contra a pirataria. E a Sony ainda fez o absurdo de fazer com que a compatibilidade da terceira versão do Playstation seja apenas em HDTV, televisões ainda muita caras em países subdesenvolvidos e consumidores de games, como os da América Latina. Resultado: A Nintendo e a Microsoft (xbox) estão ganhando mercado. Mas o que tiver o preço mais acessível, será o campeão

E a Microsoft de 2005 pra cá não tem poupado dinheiro para acabar com o "mal" da pirataria. Como são mal agradecidas essas empresas, por certo viram o quanto de lucro teriam se todas as suas cópias originais fossem vendidas. Mas esquecem que grandes países consumidores de tecnologia, como o Brasil, as pessoas não tem dinheiro para dar 500 reais num software original. E aí optam pelo pirata, ou pelo Linux. E o Linux anda se tornando cada vez mais fácil de usar, com uma interface tão boa quanto a do Windows e, em certo ponto, mais "inteligente" que ele. Fora que, pelo que eu sei, não existe vírus para Linux.

O que você acha então que vai acontecer aqui no Brasil se a política anti-pirataria for mais severa quanto aos sistemas operacionais? O povo vai pagar 500 reais num Windows Original, ou pegará o Linux e os programas da Google Apps, gratuitamente, e que são tão bons (ou, algumas vezes melhores) quanto os da Microsoft?

0 comentários:

top